AddThis Social Bookmark Button

 

Microchip 

 

Segundo o Decreto-lei n° 313/2003, é obrigatória a colocação de chip em todos os cães nascidos após 1 de Julho de 2008. Cães perigosos ou potencialmente perigosos, cães de caça e cães para fins comerciais e afins são obrigados a ter chip desde 1 Julho de 2004. Também no caso de viagem para fora do país, será necessário que o animal (cão ou gato) tenha microchip e passaporte *.

A Identificação Electrónica permite diminuir  a perda ou roubo de animais de companhia, consistindo na  colocação sob a pele do animal de um microchip, com um número de identificação único no mundo, registado em uma base de dados  que tem o seu contacto.  

O microchip tem as dimensões aproximadas de um bago de arroz, não constituindo incómodo para o animal. É colocado pelo Médico Veterinário, através de um dispositivo próprio com agulha, não sendo necessário sedar o animal pois é pouco doloroso. Podem ser colocados em cães, gatos, animais exóticos e aves. 

Posteriormente, cabe ao Médico Veterinário o registo do animal microchipado na base de dados que escolher (SIRA ou SICAFE). Actualmente, na CLIVAM, os animais são registados por via online no SIRA, imediatamente após ser colocado o microchip, pelo que a partir do momento em que saem da nossa clínica os seus dados e do dono já estão inseridos na base de dados nacional. 

No entanto, cabe ao dono posteriormente dirigir-se à Junta de Freguesia onde reside para registo/licenciamento do animal, o que é obrigatório para todos os animais, e naqueles em que o microchip é obrigatório, o licenciamento só poderá ser aceite se já possuírem microchip e vacina da Raiva actualizada. 

* O passaporte poderá também ser obtido e preenchido nas nossas instalações. Informe-se acerca das condições para viajar com o seu animal, pelo menos 6 meses antes da viagem. 

Dados adicionais